Publicado em

pesquisa windows phone

Uma recente pesquisa sobre nível de satisfação dos usuários mostrou que o Windows Phone já supera o Android nesse quesito, sendo o segundo colocado num comparativo que dá vitória ao iPhone. Diante desses dados, é interessante pensar sobre os fatores envolvidos para que o quadro em questão se configure.

Para que se estabeleça um determinado nível de satisfação do usuário, um fator de extrema importância é a expectativa existente enquanto esse usuário ainda era um consumidor às voltas com suas opções de compra. O baixo nível de satisfação, a frustração, se dá quando são alimentadas algumas expectativas que não se realizam. Ao adquirir um determinado produto, o consumidor escolhe baseado em expectativas sobre a experiência que terá com ele. Obviamente, se ele espera mais do que efetivamente obtém, a insatisfação virá.

Embora não tenhamos números, o contato cotidiano com um grande número de usuários de smartphones e tablets permite visualizar algumas diferenças entre aqueles que optam pelo iPhone e aqueles que escolhem o Android. O mais importante é perceber a que tipo de discurso cada um desses grupos é mais sensível.

O típico usuário de Android, aquele com potencial para se tornar entusiasta e defensor da plataforma, é levado pelo discurso segundo o qual ele terá um sistema “livre”, devido ao fato de se tratar de um projeto de código aberto. Geralmente ele tem sonhos nerds com aquele novo equipamento, quer carregar grande poder computacional no bolso e de ser capaz de modificar o sistema ao ponto de verter todo aquele poderio a seu favor.

Esse sujeito não apenas se convence da tonelada de besteiras contida no parágrafo anterior. Ele discursa entusiasticamente sobre isso e acaba tentando “evangelizar” e trazer para o “lado livre” dos sistemas operacionais móveis o maior número de pessoas. É possível que ele mesmo, no eterno auto-engano, não perceba que todo o seu “embasamento” não vai muito além de um delírio. Talvez, por isso, ele nunca venha a se frustrar, mas, se tiver “evangelizado” de forma convincente, os “convertidos” que ele conseguiu trazer para a plataforma serão, em sua maioria, usuários insatisfeitos.

O Android é sem dúvida o mais customizável dos sistemas operacionais móveis existentes, mas boa parte das pessoas não está nem aí para isso e nem sequer posiciona um widget numa  home screen. Por outro lado, o discurso do fanboy pregador esquece de mencionar que existem Androids e Androids, que a plataforma roda sobre todo tipo de hardware, até mesmo em modelos com telas resistivas e de uso sofrível. Basta ver o exército de fanboys do ZTE X850 que ainda hoje comparecem pra me xingar aqui nos comentários do blog.

Os usuários “convertidos” por esse tipo de discurso muitas vezes compram os primeiros xing lings que a moça da operadora lhes oferece (empurra). Ah… é um sistema “livre”. A maior parte dessas pessoas jamais fará uso dessa tal liberdade (muita gente nem app instala), apenas ficará furiosa tentando operar uma interface baseada em toque através de uma sofrível tela resistiva, num sistema de roda sobre um hardware de quinta categoria.

Ou seja, todos os dias, mais de meio milhão de dispositivos com Android são ativados. Nesse imenso número estão incluídos aparelhos de todos os tipos, dos top de linha ao xing ling mais tranqueira, chegando às mãos de pessoas que, muitas vezes, depositaram expectativas confusas sobre o que adquiram. Não se pode esperar que um quadro desse tipo vá resultar num nível de satisfação de usuário comparável ao das plataformas da Apple e da Microsoft.

Para tornar a situação ainda mais grave, o fornecimento de atualizações para o sistema segue uma (falta de) lógica que varia de fabricante para fabricante e até mesmo de modelo para modelo. A atualização de software, quando recusada, faz com que determinados modelos se tornem rapidamente obsoletos, causando revolta nos usuários.

O que a Apple e a Microsoft têm em comum é que ambas assumem firmemente as rédeas dos seus projetos nessa área com o objetivo principal de garantir a experiência de usuário prometida. Nesse caso, há uma maior segurança quanto ao que se oferece e, por outro lado, está mais claro na cabeça dos consumidores o que devem esperar do que adquirem.

No caso da Apple, que tem um nível de satisfação de usuário, pelo menos nessa pesquisa, em torno de 75%, o impressionante é que eles consigam decepcionar os outros 25%. O que quer o usuário do iPhone? O bom design do produto, que que o equipamento funcione a contento e que dê acesso ao grande acervo de apps e de conteúdo existente no ecossistema da Apple. Por último, mas não menos importante, muitos querem o status barato que um smartphone “da grife” lhes confere. É o nariz empinado de custo mais acessível da história da mentalidade pequeno-burguesia.

Provocações à parte, a proposta das duas plataformas vencedoras da pesquisa é mais clara. Nesse sentido, a “novata” Microsoft entrou para brigar com força. Embora existam diversos modelos de Windows Phone, de vários fabricantes, o sistema trabalha com uma homologação de hardware que visa a garantir a experiência de usuário e evitar a fragmentação da plataforma.

O consumidor do Windows Phone tem muito em comum com o do iPhone. Ele sabe o que espera do dispositivo e não tem, pelo menos até o momento, muitos motivos para se decepcionar. A maior frustração pode ser gerada pelo ainda escasso acervo de apps do MarketPlace, problema que está em vias de ser sanado pelo frenético crescimento no ritmo de 2500 novos apps por semana.

Um trunfo da Microsoft diante do iPhone é que, embora o seu novo sistema tenha uma proposta sólida de design para interface, ele abre, um pouco ao estilo do Android, espaço para que o usuário organize a Metro UI conforme as suas preferências, dando maior praticidade ao uso do smartphone. A Metro UI, nesse sentido, depende menos da expertise e da disposição do usuário para moldá-la ao mesmo tempo em que, em se tratando de personalização, está anos luz à frente da proposta trancafiada e claustrofóbica da Apple.

Uma parcela dos leitores desse blog podem, ao ler esse texto, me tomar como “detrator”. Para quem ainda não percebeu, apresento-lhes o Droider. O blog é especializado em Android, mas não tem discurso de fanboy. Simples assim. O texto expõe um pouco da minha visão panorâmica das três principais plataformas mobile existentes. Pro meu uso pessoal e para o de muita gente que conheço, o Android é a melhor opção, desde que num smartphone bem escolhido. Ele não é o Santo Graal dos sistemas móveis e nem é a melhor escolha para todo e qualquer usuário.

Categorias: Opinião / Tags , .

15 respostas a Android, expectativas e nível de satisfação dos usuários

  1. Sérgio Neves disse:

    Este post à primeira vista/lida, poderia até se encaixar melhor no blog do windows do que aqui, se o lermos com paixão "androidiana" :) . Mas para quem já está habituado ao blog, sabe que ele exprime mais a razão do que a emoção. Prefiro. Deixa-me mais liberdade para pensar numa decisão futura. Se calhar alguns preferem não ter de pensar… Bom post.
    Ab.

  2. Rafael disse:

    Concordo totalmente com seu texto. Tomo a liberdade apenas de acrescentar que outro fator que prejudica a satisfação dos usuarios do Android (falo como um usuario) é a questão das atualizações. A incerteza se terá ou não acesso a uma atualização é um enorme motivo de insatisfação, no meu caso, e na minha opinião.

  3. Sérgio Neves disse:

    Este post à primeira vista/lida, poderia até se encaixar melhor no blog do windows do que aqui, se o lermos com paixão "androidiana" :) . Mas para quem já está habituado ao blog, sabe que ele exprime mais a razão do que a emoção. Prefiro. Deixa-me mais liberdade para pensar numa decisão futura. Se calhar alguns preferem não ter de pensar… Bom post. Ab.

  4. HeDC disse:

    Todos válidos excluso o tal sistema janelas virulentas inseguras. Aquela "empresa" destrói tudo onde entra, corrompe governos e o escambau. Faz de tudo p/ destruir os outros. Que hajam vários, excluso dessa "empresa" que merece no mínimo a morte!

    • Demian disse:

      Falasério, cê ainda acredita que no mundo das corporações (da área de tecnologia ou não) existem mocinhos e bandidos? A lógica corporativa é diferente da ética e da moral utilizada nas relações interpessoais, por isso existem (ou deveriam existir) regulamentações governamentais. Essa de demonizar a MS é coisa da década passada, acordaê!

  5. Edwilson disse:

    Texto perfeito (como de costume) do Ticiano..
    Fui um grande entusiasta da plataforma Android, e me decepcionei um pouco, mesmo antes de ver essa pesquisa já estava decidido a adotar o Windows Phone como sistema operacional, mas também quero acompanhar a evolução do Android, e torço para que o Google reverta a imagem que o Android ganhou dos criticos e de boa parte dos usuários..

  6. Y. Camargo disse:

    Perfeito. A frase final resumo tudo: “Pro meu uso pessoal e para o de muita gente que conheço, o Android é a melhor opção, desde que num smartphone bem escolhido. Ele não é o Santo Graal dos sistemas móveis e nem é a melhor escolha para todo e qualquer usuário.”

    É como eu digo, não existe um smartphone, ou um sistema operacional melhor, existe o que é melhor pra mim e o que é melhor pra você. Pra mim, o melhor é Android, pois no momento atende minhas necessidades, mas isso pode mudar, e quem sabe amanhã o melhor pra mim não seja WP, ou mesmo um iPhone, porque não?

    Parabéns pelo texto.

  7. Rafael disse:

    Parabéns, texto excelente!

  8. Uarlem Oliveira disse:

    Primeiramente gostaria de elogiar o blog pois ele se tornou minha referencia em português em Android, pois se discute o sistema sem as paixões típicas dos aficionados. Deixemos as paixões para nossas relações amorosas e não para empresas e sistemas, pois eles não merecem.

    Concordo em 100% com o seu post. Contando um pouco da minha história, sou ex-usuário de iphone (3gs) e recentemente troquei para um Samsung Galaxy S2 pois minha operadora o ofereceu pela metade do preço de um iphone 4 e sem obrigação de contratação de pacote de dados. Como um típico Apple fanboy peguei o celular com todos os pré-conceitos do mundo, mas tanto o aparelho quanto ao sistema Android me surpreenderam e hoje considero o Galaxy S2 (hardware) melhor em tudo que o Iphone 4 (e talvez que o 4S) e o Android pode não ser perfeito (como i IOS também não é), mas possui recursos que me agradaram muito e nos quesitos em que ele ainda peca, acredito ser uma questão de amadurecimento do sistema.

    Concordo que apesar do ecossistema fechado da Apple ela tem uma vantagem enorme em relação ao Android por realmente padronizar o sistema e sua gestão no que se refere a atualizações, permissões de customização, suporte ao usuário, etc, em prol da experiência do usuário. Infelizmente a Apple leva esta “padronização” de forma tão severa que não se permite evoluir para um ambiente mais flexível em que tanto o hardware quanto o software poderiam permitir alguma abertura.

    Porém não gosto também da abertura extremada que o Google permite ao Android em relação a customização do sistema pelas fabricantes, não homologação de hardware e não suporte aos usuários, relegando isso aos fabricantes de aparelhos que possuem muito menos competência técnica para isso. Vejo pelo meu caso, minhas maiores reclamações ao Android, são culpa da Samsung pois acho a customização do GS2 ruim, o software de sincronização (Kies), horroroso, o servidor de atualização sofrível e o suporte ao usuário péssimo (alguém já conseguiu registrar-se no site da Samsung sem dor de cabeça?).

    Acredito que a próxima etapa de amadurecimento do Android seria o Google tomar um caminho de meio termo (similar estratégia Microsoft), tomando mais as rédeas do sistema, inibindo (ou proibindo de vez) as customizações, criando androides específicos para cada tipo de hardware (android para chingling, android para midle ends, android para high ends) e criando um suporte ao software unificado com um programa de gerenciamento padrão nos moldes do itunes/ Windows update e não deixando isso para os fabricantes que conhecem muito menos o sistema e possuem muito menos recursos técnicos para manter um bom suporte ao usuário.

    Se as sugestões do paragrafo anterior forem seguidas pelo Google acho que teremos um Android realmente em pé de igualdade com o IOS e com a vantagem de contar com mais de um hardware, seguindo a estratégia vencedora (até então) do Windows que roda em diversas máquinas e com diversas versões que se ajustam a cada realidade do consumidor (dos netbooks até os Sony Vaio), sendo que a Microsoft é a gestora do sistema responsável pelo suporte e atualização. Para mim o destino do Android é ser o Windows dos celulares e isso não tem nada de pejorativo, desde que o Google controle melhor o seu sistema.

    Um abraço a todos.

  9. Gabriel disse:

    Ótimo texto, Ticiano (como sempre)! Mas só tem um detalhe a ser corrigido aí.

    "No caso da Apple, que tem um nível de satisfação de usuário, pelo menos nessa pesquisa, em torno de 75%, o impressionante é que eles consigam decepcionar os outros 25%."

    Na verdade, não necessariamente o iPhone desaponta os outros 25%, assim como podemos afirmar também a respeito das outras plataformas, já que elas não foram rejeitadas por 45% ou mais dos seus usuários. Note que esse gráfico aponta somente os usuários que disseram estar muito satisfeitos (very satisfied) com as plataformas perguntadas, ou seja, provavelmente ainda temos os satisfeitos, os medianos, os insatisfeitos e os muito insatisfeitos com as plataformas pesquisadas.

  10. Obrigado a todos pela ótima recepção dada a esse texto. Essa é a linha que mais curto desenvolver e é muito bom ver que ela é valorizada, mesmo saindo daquela lógica macetiada do "texto fácil e curto para internet".
    Abraços!

  11. Pingback: O que levar em conta antes de migrar para outra plataforma

  12. Rony nogueira disse:

    É a primeira vez que vejo o seu blog e digo ele é muito bom!!! Parabens

  13. renato disse:

    Meus parabéns pelo texto. Apesar de ser um recém apaixonado por android e ainda estar em lua de mel com meu galaxy tab, concordo que a incerteza com a atualização na minha opinião é realmente o maior problema com android. Até agora temos alguns blogs especializados garantindo a atualização para os galaxy tab, e se assim for fico contente e confirmo minha plena satisfação. Mais uma vez dou meus parabéns ao seu blog e afirmo que daqui em diante sou fã e acompanharei mais seu trabalho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>