Publicado em

desencontro_2012

O Desencontro, para os poucos que ainda não conhecem, é um grande evento de mídias sociais que acontece em Fortaleza. A primeira edição superou as expectativas e a segunda, que se deu agora, no último fim de semana de março, veio para consagrar de vez o projeto.

Há um ano, falei da primeira edição do Desencontro numa matéria para o Meio Bit. À época, essa coisa de levar Internet a sério, ou um pouco mais a sério, ainda era nova pra mim, então eu tinha obrigação de conferir o evento. Fiz minha inscrição, assisti a todos os painéis, inclusive aos de assuntos que não têm absolutamente nada a ver comigo, e conheci muita gente, inclusive a turma da organização.

Entre 2011 e 2012, minha relação com a Internet amadureceu bastante, assim como o evento. Do meu lado, o amadurecimento sempre exacerba a veia crítica e faz com que eu me afaste de certas coisas com as quais acabo antipatizando no percurso, para o bem e para o mal. No lado do Desencontro, o amadurecimento da proposta vez com que ele fosse capaz se afastar da mesmice com que são tocadas as “coisas de internet”. O evento é hoje muito maior do que outros projetos usuais com temática semelhante.

Apesar de blogar e usar bastante as redes sociais, definitivamente, não me dou com besteirol “de internet”. Nem gosto de gírias “de internet” e não me acostumo a passar o dia inteiro falando “fulano tá me trollando, LoL” e coisas do tipo. Basicamente, esse comportamento abobalhado que as pessoas desenvolvem online me deixa um pouco mau-humorado, temendo que o mundo esteja se infantilizando (no mal sentido mesmo), que a linguagem esteja empobrecendo, entre outras coisas. O ciclo vicioso da internet auto-referente é uma merda (com o perdão da palavra) e me tira a paciência.

Enfim, estou na internet, já bloguei o bastante para o Google sugerir meu sobrenome a quem coloca meu nome no campo de busca (ui) , mas não sou filho da Internet e tenho uma enorme dificuldade de me relacionar com a “prole” desta rede. Aliás, falta-me qualquer interesse em aprofundar esse relacionamento.

Após ter cogitado, inicialmente, ir à Campus Party e, pra minha sorte, ter perdido o prazo de inscrição, já não botava mais fé em qualquer evento assemelhado. Quando veio o a última versão daquele evento, observei de longe as bobagens daquilo que parece ser o playground da Internet e concluí que, certamente, não seria um ambiente onde eu fosse estar muito à vontade.

Quando o Desencontro 2012 foi se aproximando, devido ao meu cansaço referente a esse universo já estar em fase bem avançada, meu interesse pela coisa já não era tanto. O Emerson Damasceno, meu amigo e criador do evento, havia falado da possibilidade de eu estar em um dos paineis, mas ficou de confirmar e, na correria gerada pelo enorme trabalho, passou batido e não falou mais nada sobre o assunto.

O evento já ia pela metade quando o colega Dan Martins avisou no Twitter que eu constava no site como um dos apresentadores do painel “QUAL O FUTURO DAS MÍDIAS SOCIAIS?”, no sábado, último dia. Fui conferir o site e topei com o desafio de ter algo a acrescentar numa conversa sobre mídias sociais com  Alex Primo, Alexandre Inagaki, Rodolfo Sikora, Gilberto Knuttz, com a moderação do Nick Ellis.

papo_futuro_midias_sociais

Sem tempo pra pensar muito no que ia dizer, tomei umas notinhas no Evernote e fui para lá. O papo fluiu muito bem e, a não ser pela minha pouca (nenhuma) intimidade com microfone, o diálogo estabelecido no painel foi bastante produtivo, graças ao alto nível dos palestrantes e aos oportunos questionamentos lançados pelo Nick, que se revelou um talentoso moderador.

O Desencontro, pelo que se pode ver na programação e comprovado comparecendo ao evento, é muito abrangente e não se limita àquele “besteirol auto-referente de Internet” que, para mim, já deu. O diferencial ali é justamente o pluralismo. Há espaço pra quem quiser tietar “celebridades” da internet e há espaço para quem tem interesse por temas tão distintos quanto a mecânica do debate político nas redes sociais ou acessibilidade da web para deficientes visuais, tratada numa interessante palestra do Lucas Radaelli.

Enfim, tem o mesmo playground que se desenvolve numa Campus Party, mas também tem espaço para um papo mais adulto. Dá até para você levar seu filho e cada um encontrar o que fazer por lá e acabar, cada qual em seu nicho de interesses, curtindo muito o evento inteiro.

Em 2013, é muito provavel que minha paciência para o besteirol auto-referente dessa rede esteja ainda menor. É possível que, até o próximo Desencontro, outros eventos sobre internet ocorram e que essa minha indisposição impeça meu comparecimento a qualquer deles, mas quando o Desencontro 2013 chegar, estarei por lá, convidado ou não para apresentar painel. Meus parabéns ao Emerson, ao Inagaki e a todos os envolvidos.

Categorias: mídias sociais / Tags , .

5 respostas a Desencontro 2012 surpreendeu, mais uma vez

  1. mica disse:

    "Basicamente, esse comportamento abobalhado que as pessoas desenvolvem online me deixa um pouco mal humorado, temendo que o mundo esteja se infantilizando (no mal sentido mesmo), que a linguagem esteja empobrecendo, entre outras coisas. O ciclo vicioso da internet auto-referente é uma merda (com o perdão da palavra) e me tira a paciência." – que bom saber que não estou sozinha! Ótimo texto!

  2. Alex Primo disse:

    Como você escreve bem!

    Foi um prazer te conhecer no Desencontro :-)

  3. Sérgio Neves disse:

    Acompanhei o melhor que pude o Desencontro pela net. Pelo que li, vi e ouvi, foi realmente um evento agradável à grande maioria dos presentes, (e ausentes), com imensos pedidos de "venha o próximo". Tal como fala no seu texto, comparando com o Campus Party, também prefiro este ambiente mais pausado, (leia-se mais "maduro"). Não estou desmerecendo o encontro de São Paulo, até porque para que os mais novos hoje possam fazer coisas extraordinárias, os mais velhos já abriram caminho, (o que por vezes é esquecido). Gostaria, porque não encontrei em lado nenhum, de puder ler ou ver a palestra em que participou. Algum site ou blog onde possa encontrar? Quanto ao texto, está na senda dos outros.
    Abraço.

    • Olá Sérgio! Obrigado. Também não fiquei sabendo se há registro em vídeo do que rolou lá e se esse material será disponibilizado na net.

      A próxima Campus Party, pelo que fiquei sabendo, deverá ser em Recife. Minha falta de interesse é mais coisa minha. Ao que parece, ele cumpre muito bem sua proposta. Eu é que estou noutra mesmo. :)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>